A recessão econômica que assombrou a Islândia com o estopim da crise de 2008 | Sistema Costa Norte de Comunicação
|
A recessão econômica que assombrou a Islândia com o estopim da crise de 2008
Foto:

A recessão econômica que assombrou a Islândia com o estopim da crise de 2008

Como a quebra do banco americano afetou a pequena ilha europeia Como a quebra do banco americano afetou a pequena ilha europeia Como a quebra do banco americano afetou a pequena ilha europeia

30 de março de 2020 Última atualização: 17:31
Por Henrique Gear SEO

A crise de 2008 pegou diversos países ao redor do mundo de surpresa e um dos que mais sofreram por conta dessa crise foi a Islândia. A pequena ilha no leste europeu, com cerca de 320 mil habitantes, se deparou com diversos problemas a serem solucionados e muitas dificuldades internas em sua frágil economia.

Todos os cidadãos islandeses sabem que o país se divide em dois momentos: antes e depois da crise de 2008. Apesar de ter recuperado sua economia, a Islândia não voltou a ser a mesma de antes do colapso financeiro causado pela quebra do banco americano Lehman Brother, em 15 de setembro de 2008. 

Como era a Islândia antes da crise de 2008? 

Os habitantes da ilha, incentivados por governos de centro-direita, apoiaram as privatizações no país e, nos anos 90, migraram do ramo tradicional de pesca para o mercado financeiro. 

No auge de seu sistema financeiro, a Islândia tinha cerca de 70 mil famílias com contrato de crédito, todos endividados em moeda estrangeira e investindo em negócios de risco. Não era raro ver um islandês com um carro esportivo ou uma casa de luxo.

Os três principais bancos nacionais explodiram após a privatização. O valor de mercado do trio chegou a valer mais de dez vezes do que o PIB do país. Apelidados como “viking das finanças”, os bancos atingiam um alto faturamento através do incentivo a empréstimos no mercado interno.

Crise de 2008 devastou a economia islandesa

O dia 15 de setembro de 2008 é um marco negativo na história do mercado financeiro mundial. Foi nesta data que o Lehman Brother, um dos principais bancos de negócios americano decretou sua falência.

Os mercados mundiais de crédito foram atingidos de surpresa e não tiveram outra saída, senão congelar suas operações. O trio de bancos mais populares da Islândia se viu ameaçado. A expansão internacional dos empréstimos implodiu quando os principais bancos de negócios americanos quebraram.

O problema é que, diferente dos Estados Unidos, a Islândia não conseguiu salvar os bancos, afinal eles eram bem maiores do que o governo. A moeda do país e a bolsa de valores local sofreram uma desvalorização devastadora em dias. A inflação do país bateu a casa dos 18% e o desemprego alcançou 9% dos islandeses, em 2009.

Como a Islândia evitou a quebra e superou a recessão?

As medidas protecionistas salvaram o país na queda no primeiro momento, mas a voraz recessão fez com que a economia encolhesse e levasse alguns anos para se recuperar. Rapidamente, o governo assumiu o controle dos três bancos, sem assumir suas perdas, e proibiu as movimentações de capital para fora do país.

Com isso, os três grandes bancos islandeses, Kaupthing, Landsbanki e Glitnir, quebraram, o que foi necessário para que o sistema financeiro do país se recuperasse. Surgiram três novos bancos, o Islandsbanki, o Arion Banki e o New Landsbanki, todos com carteiras simplificadas e operação 100% nacional.

Em 2011, a Islândia se tornou o primeiro país ocidental a pedir ajuda do FMI (Fundo Monetário Internacional). Poucos anos depois, o país voltou a crescer. Em 2016, impulsionado pelo turismo, a Islândia cresceu 7,2%.

Impactos da Crise de 2008 em 2020

O estilo de vida islandês mudou muito depois da crise. A queda dos três grandes bancos derrubou a reputação das instituições financeiras. Hoje em dia, a prática de empréstimos está em desuso na Islândia e a confiança dos cidadãos da ilha no sistema bancário não se recuperou.

Cerca de 25% da população do país perdeu suas economias, todas aplicadas nos grandes bancos da época. Para completar, o valor das parcelas dos empréstimos existentes quase que duplicou. Isso fez com que a população criasse repudia aos partidos de centro-direita, que comandavam o país na época da crise.

O diretor-geral adjunto da autoridade de vigilância financeira islandesa, Thór Sturluson, ressaltou que o governo criou inúmeras barreiras financeiras para evitar uma nova crise, mas que o sistema financeiro islandês ainda não é plenamente forte e que mais medidas de austeridade são necessárias.

Comentários
46463
Outras
Últimas Notícias