Corretor reclama sobre dinheiro aplicado na Unick | Sistema Costa Norte de Comunicação
|
Corretor reclama sobre dinheiro aplicado na Unick
Foto: Divulgação/Polícia Federal

Corretor reclama sobre dinheiro aplicado na Unick

Neste mês, o núcleo da empresa foi preso durante a Operação Lamanai, da Polícia Federal

23 de outubro de 2019 Última atualização: 11:39
Por Da Redação

Um corretor registrou boletim de ocorrência em Guarujá contra a empresa Unick Academy, após não obter retorno sobre seu dinheiro aplicado em moedas virtuais. A empresa, que acumula mais de 10 mil queixas no site Reclame Aqui, é investigada pela Polícia Federal na Operação Lamanai por lavagem de dinheiro, evasão de divisas, organização criminosa, crime contra o sistema financeiro e crime contra a economia popular.


Participe dos nossos grupos ℹ http://bit.ly/CNGUARUJA2 🕵‍ Informe-se, denuncie!


No caso do morador de Guarujá, ele afirma que, no mês de abril, depositou R$ 12.946 por meio de boleto, com promessa de 200% de retorno em seis meses, ou seja, R$ 25.892. Nos dois meses seguintes, ele efetuou três saques, que totalizaram R$ 7.811,39, no entanto, não conseguiu mais reaver nem os lucros prometidos e, sequer, a diferença do valor depositado.


Líder da Unick é assassinado e polícia descarta tentativa de assalto


Em contato com a Unick Academy, por meio da plataforma virtual, o corretor disse ter sido informado que o sistema estava em manutenção para melhorias, ou, ainda, que estavam construindo um banco próprio. O caso foi registrado como estelionato para investigação.


Operação Lamanai

No dia 17, a Polícia Federal deflagrou a Operação Lamanai contra a Unick Academy, devido o esquema de pirâmide financeira. Nove mandados de prisão foram cumpridos pelos crimes de evasão de divisas, lavagem de dinheiro, organização criminosa e crime contra o sistema financeiro.


Foram cumpridos um total de 65 mandados de busca e apreensão em cinco estados, e conforme a Polícia Federal, a financeira tem possui um centro de negócios em Belize, na América Central. Também foram executadas medidas cautelares para apreensão de veículos, sequestro de bens e bloqueio de valores em contas correntes.


O escritório de advocacia que defende a empresa emitiu a seguinte nota sobre o caso: "O escritório Nelson Wilians e Advogados Associados, que representa juridicamente a UNICK Academy, vem reafirmar o compromisso da empresa em colaborar com as autoridades competentes, prestando as informações necessárias para apuração de quaisquer eventuais fatos que tenham ocorrido em relação a suas operações. A empresa reafirma seu compromisso com seus clientes e acredita na Justiça e nos esclarecimentos dos fatos".

37548
Últimas Notícias