Estudo identifica picos de poluição em áreas portuárias | Sistema Costa Norte de Comunicação
|
Estudo identifica picos de poluição em áreas portuárias
Foto: Hygor Abreu/PMG

Estudo identifica picos de poluição em áreas portuárias

Estudo inédito, que inclui o uso de bromélias, conta com a parceria das universidades de São Paulo (USP) e Nove de Julho (Uninove)

18 de setembro de 2019 Última atualização: 12:31
Por Da Redação

A primeira etapa de um projeto inédito de monitoramento da poluição atmosférica em áreas portuárias em Guarujá foi concluído com a primeira coleta de bromélias, e a análise das folhas identificou picos de poluição atmosférica em dois pontos, entre cerca de 50 pontos monitorados. O Atlas da Poluição Ambiental é desenvolvido pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semam), em parceria com as universidades de São Paulo (USP) e Nove de Julho (Uninove).


Participe dos nossos grupos ℹ http://bit.ly/CNGUARUJA2 🕵‍ Informe-se, denuncie!


Segundo a prefeitura de Guarujá, o levantamento é um importante indicativo para a criação de políticas públicas de mitigação do problema. O Atlas possui duração de dois anos e está em seu oitavo mês de atividade. O estudo consiste no monitoramento periódico da ramagem de bromélias da espécie barba-bode, depositadas em árvores do distrito de Vicente de Carvalho. O resultado é parcial e corresponde à primeira coleta das bromélias, realizada em fevereiro de 2019 e encaminhadas para análise.


A pesquisa aponta picos de poluição em dois pontos da rua Idalino Pinez, no Jardim Boa Esperança, também conhecida como rua do Adubo, via de ligação entre a rodovia Cônego Domenico Rangoni e a avenida Santos Dumont, que dá acesso aos terminais do Porto. O local possui estacionamento de carretas e semáforos, sendo amplamente conhecido justamente pelo constante e intenso tráfego de veículos pesados.


A análise da folhagem das bromélias indicou a liberação de altas concentrações de cobre e cádmio no ambiente, estimulada pela ação de frear e acelerar os veículos. A pesquisa permite analisar, diagnosticar e também identificar quem são os agentes poluentes.


Parceria 

A iniciativa faz parte de um Termo de Cooperação firmado entre a prefeitura e as universidades de São Paulo (USP) e Nove de Julho (Uninove). Os dados divulgados até então são preliminares e seus resultados traduzem o índice de poluição durante a estação de chuvas. Futuras coletas em estações de calor permitirão também a comparação entre todas as épocas do ano.


A longo prazo, a pesquisa ampliará a visão para a criação de políticas públicas voltadas para o Meio Ambiente e Saúde no município. O titular da Semam, Sidnei Aranha, comenta que a colaboração dos munícipes é muito importante para a preservação da flora. “Estamos envolvendo o universo acadêmico, as empresas, a sociedade e o governo no monitoramento atmosférico. Com o resultado das pesquisas, iremos ressaltar o plano arbóreo no distrito de Vicente de Carvalho", apontou.


Ações

Desde 2017, a Semam realiza o plantio de árvores por toda a cidade, tendo em vista sua importância para a biodiversidade, produção de oxigênio e mitigação dos efeitos da poluição atmosférica. Além disso, são feitas reuniões com representantes de empresas portuárias, para que seja cobrada a responsabilidade do setor ambiental, social e econômico.


Atualmente, a prefeitura de Guarujá realiza estudo de viabilidade técnica para a construção de um pátio de caminhões, que visa à instalação de equipamentos voltados ao controle ambiental e de tráfego portuário, prevendo ações ambientais de monitoramento, estudo e prevenção.

36113
Últimas Notícias

Os melhores do litoral

Confira algumas das melhores dicas de todo o litoral