O coronavírus chegou ao Brasil, e agora? | Sistema Costa Norte de Comunicação
|
O coronavírus chegou ao Brasil, e agora?
Foto: Reprodução/Internet

O coronavírus chegou ao Brasil, e agora?

19 de março de 2020 Última atualização: 11:43
Por Benisio Ferreira da Silva Filho e Ivana Maria Saes Busato

* Benisio Ferreira da Silva Filho e Ivana Maria Saes Busato


É compreensível que muito do que é apresentado na mídia sobre o coronavírus (Covid-19), de fato, merece nossa atenção. Porém, é preciso informar também que, mesmo falando de números tão altos de pessoas infectadas, não há motivo para alarmismos. Os números altíssimos de infectados, considerando todos os países, correspondem a mais de 180 mil casos e 7.400 mortes até o momento que este texto está sendo escrito, por isso, precisamos tomar os devidos cuidados.  Observando essas informações, é preciso explicar algumas coisas.


A imensa maioria dos indivíduos que faz parte desses mais de 180 mil casos está bem de saúde. Afinal, eles já estão curados e seguindo com o curso normal de suas vidas. Eles ficaram “gripados” e há alguns poucos casos confirmados de pessoas assintomáticas, ou seja, que estiveram com o coronavírus e nem ficaram gripadas.


O número de mortes é muito baixo quando analisado o número de pessoas infectadas. Logo, temos a confirmação de que este vírus tem um baixo índice de letalidade quando comparado a outros.


Por ser uma nova cepa (uma variante dos outros coronavírus que existem) ninguém possui imunidade contra ele, daí a razão de um grande número de pessoas que vão ser infectadas e apresentar um quadro de gripe com os sintomas conhecidos: tosse, coriza, dor de garganta, dor de cabeça e febre durante alguns poucos dias. Lembrando que nem todos vão apresentar todos os sintomas.


O perigo é se a pessoa que foi infectada está dentro do que chamamos grupo de risco. Esse grupo corresponde aos indivíduos com idades a partir de 65 anos e aqueles com idades diferentes que apresentem alguma destas condições que debilitem o indivíduo: imunossuprimidos (que apresentem alguma condição que baixe sua imunidade, como quimioterapia, por exemplo), asmáticos, pessoas com bronquite, diabetes e hipertensão. Pessoas desse grupo possuem mais chances de desenvolver a forma mais grave dessa gripe por coronavírus.


Crianças não fazem parte do grupo de risco, e esse dado, recentemente confirmado pelo CDC (Centro de Controle de Doenças, na sigla em inglês) dos Estados Unidos, traz um pequeno alívio em período de preocupações, porém é importante informar que elas transmitem o vírus, por isso, deixá-las com seus avós causa preocupação. Elas podem até não apresentar sintomas e transmitir o vírus para os mais velhos. Escolas estão participando do trabalho de contenção paralisando suas aulas justamente por isso.


O mais importante neste momento é acompanhar os casos que estão sendo confirmados no Brasil e cuidar dos indivíduos do grupo de risco. Não há vacina específica para coronavírus e as vacinas que existem para os outros vírus não funcionam para este. Porém, devemos responder ao chamado da vacinação, pois vai prevenir contra doenças muito mais graves, como sarampo, H1N1 e H3N2. Não há remédios específicos contra o Covid-19, o tratamento é direcionado contra os sinais clínicos. Não há fórmulas milagrosas e nada que grupos secretos estão escondendo. A melhor arma neste momento é a correta informação, boas práticas de higiene, convívio e, principalmente, usar as redes sociais para divulgar as informações oficiais dadas pelo Ministério da Saúde. Pior que o coronavírus é apenas o “fakevírus”, que se espalha rápido, disseminando terror pelos celulares de indivíduos que não se preocupam com a saúde da população.


*Benisio Ferreira da Silva Filho é coordenador do curso de biomedicina do Centro Universitário Internacional Uninter.

*Ivana Maria Saes Busato é coordenadora dos cursos de gestão de saúde pública e gestão hospitalar do Centro Universitário Internacional Uninter.

Comentários
45869
Últimas Notícias